Tá vendo essa linha no chão? Você, sob nenhuma hipótese, pode sair dela. Nunca. Ande olhando pra baixo para não a perder de vista e pise bem rente a ela, ok? Se alguma vez você se desequilibrar e sair do lugar, tudo, ouviu bem, tudo vai desmoronar ao seu redor. Bom, fofinha, agora pode ir brincar.

A adulta que sou veio da criança apavorada com os limites da linha, preocupada com o equilíbrio dos passos e com a ausência de ruído. Romper com essa ordem, rompi. Mas, você sabe, houve desmoronamentos. Ah, mas siga empoeirada, pero sem perder a doçura, me disse a mim. Sem perder as estribeiras, a compostura. Aliás, não posso perder nada, nem perder-me. Tudo bem, e dou um sorriso. Mas você, claro, também sabe que agora, bem agora, eu vou perder pontos. Já perdi a fala tantas vezes. Mas isso é só punição por, antes, ter me deixado punir. Culpa? Sim, é minha, desculpe se deixei cair.