GOLPE: antologia-manifesto [download]

GOLPE: antologia-manifesto

120 artistas reunidos num uníssono #foratemer

 

Escritores, dramaturgos, cineastas, atores, cartunistas e músicos cederam e produziram obras para a antologia GOLPE: antologia-manifesto. A decisão de organizar a coletânea partiu dos poetas Ana Rüsche, Carla Kinzo, Lilian Aquino e Stefanni Marion, provocados pela atual circunstância política brasileira e ouvindo a insatisfação de amigos escritores e artistas. Esse manifesto foi idealizado em formato eletrônico com free download, para uma difusão democrática e um maior alcance de pessoas dos mais diferentes lugares do país.

Certos de que a arte é uma das mais intensas formas de resistência, os poetas reuniram nesta coletânea os simultâneos murmúrios descontentes, que agora ganham projeção e força e se transmutam num grito de repúdio ao governo interino em exercício. Os textos foram escritos, em sua maioria, especialmente para a antologia: são um manifesto contra o golpe.

Com prefácio de Marcia Tiburi, a antologia-manifesto dá voz à rua e para além da rua, já que extrapola fronteiras e une, com um único objetivo, textos de artistas que, mesmo com posições políticas diversas, são desfavoráveis ao atual cenário e lutam pela democracia. Não se trata, pois, de um manifesto a favor de um partido ou governo específico, mas em defesa da nossa tão jovem e já ameaçada democracia. É afrontamento da arte que, nas palavras de Tiburi, tem “a poesia [como] o fora do texto para onde o texto olha a abrir com as armas perigosas da palavra a passagem para a vida revolucionária”.

FAÇA DOWNLOAD AQUI:

.PDF      .MOBI       .EPUB

 

Artistas participantes:

adriano de almeida | ale safra | alessa menezes | alessandra e verônica cestac | alexandre willer melo | alfredo fressia | ana elisa ribeiro | ana estaregui | ana rüsche | andré dahmer | andré vallias | andréa catrópa | andrea del fuego | anita deak | annita costa malufe | beatriz seigner | bruna beber | bruno zeni | caco ishak | caco pontes | caetano gotardo | caetano grippo | carla kinzo | carol rodrigues | charles marlon | claudinei vieira | claudio daniel | dan nakagawa | daniel minchoni | denise bottmann | denise sintani | diana de hollanda | diego carvalho sá | diego vinhas | dirceu villa | donny correia | edson cruz | edson valente | eduardo lacerda | ellen maria | elvira vigna | eric novello | fabiana faleiros | flávio caamana | francesca cricelli | frederico barbosa | gabriela amaral almeida | gregório duvivier | gustavo nagib | heitor ferraz | helena ignez | isabela noronha | jéssica balbino | joão gomes | joão paulo cuenca | jr. bellé | julián fuks | juliana calderón | juliana cordaro | karine kelly pereira | laerte | leonardo costa | leonardo mathias | letícia novaes | lilian aquino | lineker | luana vignon | lubi prates | luiz ruffato | luiza romão | maeve jinkings | maiara gouveia | maíra mendes galvão | manoel herzog | manoel quitério | manu maltez | marcelino freire | marcelo ariel | márcia denser | marcia tiburi | marcílio godoi | marco dutra | marcos gomes | marcos siscar | maria clara escobar | maria giulia pinheiro | mariano marovatto  | mei oliveira | mel duarte | michele santos | micheliny verunschk | nicolas behr | noemi jaffe  | odyr | pádua fernandes | paula fábrio | paulo ferraz | pedro tierra | pedro tostes | priscila gontijo | rafael rocha daud | regina azevedo | renan nuernberger | renan quinalha | reynaldo damazio | ricardo escudeiro | ricardo lisias | ronaldo bressane | sheyla smanioto | shiko | stefanni marion | tarso de melo | tatá aeroplano | tatiana salem levy | thelma guedes | thiago mattos | tony monti | tula pilar | vanderley mendonça | veronica stigger

.

Créditos:

Organização e edição: Ana Rüsche, Carla Kinzo, Lilian Aquino, Stefanni Marion
Prefácio: Marcia Tiburi
Capa: Rodrigo Sommer
Projeto gráfico e diagramação: Bloco Gráfico – Gabriela Castro, Gustavo marchetto e Paulo André Chagas
E-pub: Bruno Palma e Silva
Revisão: Ligia Ulian, Lilian Aquino e Mei Oliveira

Anúncios

muitas vezes eu não calculo direito o tamanho de uma frase solta e, paft, topo com a canela bem no meio dela. preciso aprender a erguer mais o pé ou passar ao lado com jeitinho, sem tropeçar tanto, sem depois ficar catando cavaco. é muito hematoma.

Desamélia

Amigxs,

acontece neste domingo próximo (14/06) mais uma edição do Desamélia, que agora abre espaço para que mulheres escritoras e estudiosas da literatura falem sobre literatura e gênero.

Estarei presente na festa e participarei como convidada do bate-papo LITERATURA É COISA DE MULHER (às 17h30), na companhia das excelentes escritoras Ana Rüsche, Clara Averbuck, Jeanne Callegari e Ianá Souza.

LOCAL:
Las Magrelas
Rua Mourato Coelho, 1344, Pinheiros.

.

desamélia

Confira a programação completa e os horários a seguir:

NESSA EDIÇÃO:

15h :: Exibição do filme POESIA
(imdb.com/title/tt1287878/)

17h30 :: Debate-papo
LITERATURA É COISA DE MULHER
Mediação: Desamélia
Debatedoras: Ana Rüsche, Lilian Aquino, Jeanne Callegari, Clara Averbuck, Ianá Souza

Feirinha :: Durante todo o evento, diversas expositoras. Mais informações abaixo.

Microfone aberto :: Venha ler seu texto!

Exposição :: textos impressos de autoras diversas

19h30 :: FESTAAAAA!

DJs Desamélia + Clara Averbuck + BrisaFlow

Desamélia – mulheres fortalecendo mulheres – é um festival aberto, gratuito e colaborativo, programado para acontecer no segundo domingo de todo mês.

aonde

isto não tem vontade de ser literatura. isto quer ser apenas uma palavra puxando a outra.  eu sigo este trem de dentro do último vagão. sigo a sina de ser também de ferro e ser também fumaça. claro, como tantas outras mulheres, sou maria. densa e leve. acuada e atrevida sobre trilhos. meu nome já me alerta sobre ser todos os pontos de uma curva ao mesmo tempo, ser “lilian” e ser “abigail”, tão opostas, tão maria. onde estou com a cabeça? com as pernas? e os olhos, então? onde. aonde – me movimento colina acima, coluna torta. não escondo nada embaixo do chapéu. aqui nestas palavras, neste vago espaço de trem, sou quem prefere o ‘aonde’ ao verbo que o segue.

Um ou mais tempos

 

O teu rosto
agridoce
é jardim-de-inverno
no meu apartamento
é bala de canela

Na varanda
enquanto fuma
cigarros de cravo
está em pé
e cultiva cravos brancos
nas pontas dos dedos

– para aliviar o hálito
desfolha o plástico
da bala
a bochecha infla
com a esfera vermelha –

O teu rosto
jardineiro
madressilva-cacto
é onde passeio em dias
de sol